terça-feira, 8 de julho de 2008

Novo cabo óptico liga Japão e Rússia

 

 

Primeiro a criar um link direto entre os dois países, entrou em operação na semana passada e já é considerado rota alternativa entre a Europa e a Ásia.

 

Um novo cabo submarino de fibra óptica, ligando a Rússia ao Japão, entrou em operação na última sexta-feira (04/07). O cabo é o primeiro a criar um link direto entre os dois países e a oferecer uma rota alternativa entre a Europa e a Ásia.

 

Chamado HSCS (Hokkaido-Sakhalin Cable System), o cabo liga duas ilhas: Hokkaido, no Japão, e Sakhalin, na Rússia. Ele tem capacidade de 640 bps e foi passado por 570 quilômetros de oceano pelas operadoras NTT (Japão) e TransTeleCom (Rússia).

 

Até agora, o tráfego entre os dois países – que fazem fronteira pelo oceano no leste russo – acontecia por meio de cabos tradicionais que passavam pela Ásia, Oceano Índico e Europa. O novo cabo provê uma rota mais curta, e menos latência, no backbone da NTT, que prevê um aumento de velocidade entre 20% e 30%.

 

Além disso, o cabo submarino passa a ser uma rota de back-up entre a Ásia e a Europa. Em dezembro de 2006, uma série de terremotos no sul de Taiwan tirou do ar a internet em algumas regiões da Ásia, que levou semanas para ser restabelecida.

 

 

De acordo com a KMI Corporation - líder mundial em pesquisas do mercado de fibra ótica - a América Latina é um dos principais focos de investimentos previstos para os próximos anos em redes submarinas. Os projetos desse tipo de cabo para a América Latina somaram cerca de US$ 20 bilhões dos US$ 27,5 bilhões em todo o mundo até 2003.

 

O Emergia, projeto no qual a Telefonica investiu US$ 1,6 bilhão, interliga as três Américas por meio de cabos que somam 23 mil quilômetros.

 

Segundo a Telefonica, o cabo tem uma capacidade de transmissão de dados 48 vezes maior do que os atuais. "Para se ter uma idéia do que isto significa, um único cabo de fibra ótica poderá transmitir o conteúdo dos 4 milhões de livros da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, de Washington a Lima, em menos de um minuto. Se fosse utilizado um modem de 56 k conectado a uma linha telefônica comum, a transmissão só seria realizada em 81 anos", compara o diretor de rede do Emergia, Clemente Quero.

 

A Global Crossing inaugurou sua estação terminal no Rio de Janeiro do projeto South American Crossing - que tem US$ 2 bilhões em investimento. O cabo submarino da empresa tem 18 mil quilômetros interligando as principais cidades da América do Sul .

 

O South American Crossing permitirá a ligação da América Latina com os outros continentes ao ser conectado com os demais cabos da Global Crossing instalados na América do Norte.

importado por splitz

Nenhum comentário:

Postar um comentário